Morada: Rua Augusta, nº 102

Telefone: 21 342 30 00

E-mail: guida@casapereiradaconceicao.com

Fundadores: Joaquim e Adelino Pereira da Conceição (pai e filho).

Proprietário actual: A propriedade continua em 3ª geração na mesma família.

Artigos: Chás, cafés, chocolates, rebuçados, porcelanas, lilliput lane, leques.

Decoração: Mobiliário em estilo Luís XVI, com efeitos pintados a branco. O tecto tem estuques brancos trabalhados. Quatro moinhos e duas balanças, completam o décor da casa. Na cave, encontra-se o armazém das folhas de café e um belo e antigo moinho de cevada.

Protecção: Consta do Inventário Municipal (nº 48.93A) anexo ao PDM e está inserida na Lisboa Pombalina classificada Conjunto de Interesse Público (2012) e na lista das lojas classificadas pelo Programa Lojas com História (2017)

História: Em 1870-75, existia neste mesmo local uma sapataria já com a decoração que a Casa Pereira da Conceição ostenta, incluindo os móveis. Depois de ser uma sapataria, a loja foi uma confeitaria, a Confeitaria Lis, uma confeitaria luxuosa e com forno na cave, montando-se então um elevador para transporte dos produtos da cozinha, na cave, para a loja, no rés-do-chão. Mantendo-se igualmente o mobiliário.

Em 1933, o avô da actual proprietária, que tinha sido empregado e proprietário da Casa Chineza, na Rua do Ouro, adquiriu o espaço em hasta pública, abrindo a mercearia fina de nome Casa Pereira da Conceição.

Esta casa esta desde sempre dedicada à venda de chás e café, mas também bules, cafeteiras, máquinas, loiças e leques, tendo estes últimos sido até há poucos anos em marfim, tartaruga e madre-pérola. A loiça começou por ser chinesa, e depois da 2ª Guerra Mundial teve loiça exclusiva de Alcobaça.

Curiosidades: Aqui existiu uma antiga sapataria, que remonta ao final do século XIX, cujo mobiliário foi aproveitado não só pelo ocupante seguinte, uma confeitaria, como para o novo estabelecimento, por Joaquim e Adelino Pereira da Conceição. A loja foi ampliada por Joaqum Pereira da Conceição ara o antigo escritório, mantendo a traça igual à loja da frente, mandando fazer réplicas exactas dos móveis para a zona ampliada.

D. Guida, actual proprietária e neta do fundador, orgulha-se de ter os antigos arquivos, onde estão registados os cafés que eram consumidos por determinados clientes. “Hoje temos clientes que aqui chegam e que dizem que gostariam de provar um café que os avós bebiam no seu tempo e nós vamos ao arquivo e sabemos qual é esse determinado café”, conta. A tradição ainda é o que era, apesar de hoje a variedade ser muito maior: “Temos muita diversidade — há café de Timor, do Brasil, da Colômbia, de S. Tomé…” E por aí fora. Independentemente do lote ou da variedade, café é sempre café: um sabor intenso ou adocicado, mas sempre um prazer que se prova. E se sente. (in Visitlisboa)

Horário de funcionamento: Aberta de 2ª Feira a 6ª Feira das 9h40 às 13h e das 15h às 19h. Aos Sábados, das 9h40 às 13h.

Facebook